UICC Femama

Notícias

Campanha contra o câncer de próstata leva exames gratuitos para municípios


29/01/2015

A bordo de um veículo Fiat Uno, o presidente da Associação de Combate ao Câncer da Grande Dourados, Hedio Fazan, e o farmacêutico bioquímico José Prado Mansor, do Centro de Análises Clínicas J.P Mansor, percorrem aos sábados, desde a segunda quinzena de novembro do ano passado, diferentes cidades da região sul do Estado. Após agendar com as secretarias de saúde das prefeituras o ?Dia D? de exame de próstata, Hedio e Mansor pegam a estrada com o carro da Associação e chegam ao município bem cedo para dar início à coleta de sangue para o PSA (Antígeno Prostático Específico), exame que avalia o estado de saúde da próstata e a detecta doenças como o câncer. Até agora eles já passaram por Caarapó, Cristalina (distrito de Caarapó), Iguatemi, Assentamento Nossa Senhora Auxiliadora, Vicentina, Juti e Guassulândia (distrito de Glória de Dourados). Para o mês que vem já estão agendados ?Dia D? em 14 de fevereiro em São José (distrito de Vicentina), dia 21 em Jateí e dia 28 em Fátima do Sul. Pelos municípios já passados, Mansor coletou 651 exames de PSA. Desse total, 40 foram detectados como reagente para alguma doença na próstata. O PSA é um ingrediente do sêmen produzido pela próstata e é normal encontrá-lo no sangue. Com a idade também aumenta a taxa de PSA no sangue. Para Mansor, a detecção de 40 casos é considerada preocupante. ?Isso é sério e, por onde a gente passa, deixamos claro que os homens devem incluir o exame como forma de prevenção de rotina, como as mulheres fazem anualmente?, diz o farmacêutico bioquímico. Com o auxílio de técnico de enfermagem de cada município, ele colhe o sangue para o exame e o resultado sai quatro dias depois, sendo enviado ao posto de saúde onde o médico apresenta o resultado ao paciente. Se der reagente (positivo), a pessoa é indicada a procurar um médico urologista. O público-alvo da campanha é o homem do campo e aqueles que, mesmo morando nas cidades, resistem em fazer prevenção, seja pelo preconceito ou falta de informação. ?Grande parte desses 651 homens fizeram o exame pela primeira vez. Muitos já passaram dos 60 e nem sabiam do PSA?, diz Hedio Fazan, responsável por agendar com as prefeituras o ?Dia D? de prevenção ao câncer de próstata. Os exames são feitos em espaços cedidos pelas prefeituras, que fazem a convocação dos pacientes. Primeiro, Mansor e Hedio reúnem todos os homens e explicam sobre o exame PSA e falam da importância de realizar o teste anualmente, como forma de prevenção. Posteriormente, após esclarecimentos e dúvidas sobre a doença, é feita a coleta de sangue para o exame. Devido à exigência de jejum, o PSA é feito apenas no período da manhã. Parceria O trabalho desenvolvido por Hedio e Mansor é de forma voluntária e, pelos locais que eles passaram, não houve nenhum tipo de custo para as prefeituras e os pacientes que fizeram os exames. Até agora, o kit para a realização do PSA foi adquirido através de parceiros como Inflex, Aced, CDL, 92FM, J.P Mansor e a própria Associação de Combate ao Câncer. A partir de março, de acordo com Hedio, será necessário reforçar parcerias para aquisição do Kit PSA e de materiais de coleta como seringa e agulha. O Kit PSA, adquirido fora do Estado, custa em média R$ 80 e realiza 20 exames. Fora isso, tem o custo da seringa e da agulha. ?Estamos em buscas de parcerias com empresários e até das próprias prefeituras que queiram agendar o Dia D, para que possamos realizar mais exames?, finaliza Hedio Fazan. Prefeituras interessadas em realizar exame PSA com a comunidade e empresas para firmar parceria podem entrar em contato com Hedio Fazan pelo telefone (67) 9852-3359. Quando fazer? O câncer de próstata é muito comum, acometendo um em cada seis homens, por esta razão se recomenda que todo homem com mais de 50 anos faça o exame da próstata e, em casos em que houver casos de câncer na família, iniciar aos 45 anos. De acordo com o médico urologista Ricardo de Lucia, o PSA não substitui o toque retal, capaz de detectar pequenos tumores que ainda não apresentam alterações significativas dos níveis do PSA. O recomendável e fazer ambos os exames.

Voltar >>